Como fotografar pessoas?

Postado em Fotografia
on fevereiro 12, 2017

Essa é de longe a pergunta que mais ouço desde que ingressei no mundo da fotografia. Acredito que isso gera dúvidas não só por questões técnicas, mas também porque lidar com pessoas é sempre complicado em qualquer profissão, e na área da fotografia isso não poderia ser diferente. Lembro que nos meus primeiros ensaios eu costumava ficar muito mais tímida do que os clientes, isso porque eu tinha uma grande dificuldade em “criar laços” com eles a fim de estabelecer uma boa relação e fazer um bom trabalho. Pode até parecer meio exagerado me expressar assim, mas acreditem quando eu digo que ninguém ~ absolutamente ninguém ~ gosta de ser fotografado por alguém que simplesmente chega pra fazer o serviço, faz o que tem de fazer e ponto final. Ué, mas não é isso que todo fotógrafo faz? NÃO. A coisa é bem diferente prática.

Uma das coisas que mais me ensinaram sobre fotografar pessoas é que antes de capturar a “imagem física”, você  tem a responsabilidade (enorme) de capturar o interior, a essência, aquilo que a pessoa é ou o momento que ela vive. E pra chegar nesses pontos cruciais, é preciso que você conheça melhor a pessoa que está fotografando, nem que seja só por alguns momentos. Deixo claro que criar laços com o cliente não quer dizer que vocês precisam virar bests friends ou passear juntos pelo shopping no domingo, e sim que vocês precisam gerar uma confiança mútua, pra que ele confie no seu trabalho e você consequentemente, trabalhe melhor por se sentir à vontade com ele. Parece difícil, mas tem umas coisinhas que ajudam muito:

1. Conversar: Sim. Não tô falando de jogar conversa fora, mas sim de se conhecer e conversar sobre o que vocês podem fazer pra ter o melhor resultado possível nas fotos. Pergunte ao seu cliente como ele se vê agora e como ele gostaria de se ver nas fotos, pergunte o que ele quer passar com as imagens, o que ele gostaria de registrar, como ele gostaria de registrar… se possível tente apresentar pra ele suas ideias e faça também uma combinação das ideias de ambos, porque isso vai fazer com que ele perceba sua dedicação/competência e ao mesmo vai se sentir feliz porque você estar aceitando as ideias dele também.

2. Observar: Observe tudo, sempre. Vai fotografar uma mulher? Um homem? Um casal? Não importa. Observe o comportamento, o que há de mais bonito na pessoa, um detalhe que seria interessante pôr em evidência… eu entendo que são coisas realmente difíceis de fazer no começo, mas com o tempo o olhar da gente se acostuma. Observar é crucial na vida de um fotógrafo, porque a câmera não faz tudo sozinha né? Ela apenas registra a imagem que você, com seu olhar fotográfico, constrói. Exercitar isso é importantíssimo!

3. Deixar à vontade: A direção de fotografia nessas horas tem quer feita com bastante cautela. Eu particularmente adoro fotos espontâneas, mas já fotografei muitas pessoas que faziam inúmeras poses naturalmente e facilitavam bastante o meu trabalho. Quando você não tem a sorte de encontrar alguém assim, que se sinta à vontade diante de uma câmera, procure deixar a pessoa o mais à vontade possível. É aí que entra também o primeiro ponto que eu citei, a conversa. Mostre que a câmera é apenas um elemento a mais na história, e que na verdade vocês é que vão construir as imagens juntos. Não intimide nunca!

4. Tenha paciência: Fotografar pessoas não é fotografar paisagens. Pessoas se mexem, fecham os olhos, reclamam do sol, do frio, da chuva, das fotos que você tira, das poses que você pede pra elas fazerem… enfim, trabalhar com gente é complicado. Mas saiba se impôr com cautela que tudo dá certo, porque mesmo que você esteja sendo pago pelo seu trabalho e o cliente use isso como desculpa, nada justifica grosseria e desrespeito. Mostre que o resultado do processo não está só nas suas mãos e que vocês devem se ajudar pra fazer as coisas darem certo!

5. Faça com amor! Ame o que você faz, e não vise apenas o dinheiro na sua conta. Qualquer profissão precisa ser exercida com amor e dedicação pra que haja resultados positivos né? Se você não curte fotografar e faz isso apenas pelo ~money (não sei se existem fotógrafos assim né, mas…), sinto muito, mas você está destruindo a sua carreira e estragando o momento de alguém. Ninguém fotografa bem quando não está a fim, mesmo que o equipamento seja o top de linha mais desejado do momento. Então, evite transtornos futuros e mude de profissão o mais rápido possível se você estiver nessa vibe!

Volto essa semana com post novo, prometo! Até breve :*
PS: As fotos desse post são de um ensaio que eu fiz semana passada… foi um trabalho maravilhoso!

Vem cá ler isso que é importante

Postado em Cotidiano, Desabafos, Internet
on fevereiro 3, 2017

Então né, não é novidade pra vocês que esta pessoa que vos escreve sofre (bastante) com ansiedade. Não aquela ansiedade normal que todo mundo sente antes de algum acontecimento importante sabe, mas sim aquela que te paralisa no meio do dia sem qualquer motivo aparente. Pois bem, tenho sofrido com essas crises desde o final do ano passado, e sempre que posso ~ e consigo ~ tento pesquisar ao máximo sobre o assunto, justamente pra poder conhecer novos meios de lidar com a situação e não me sentir tão pressionada como geralmente me sinto. E cara, vale muito a pena! Aquilo que a gente não conhece tem o poder de assustar um pouco, mas sempre que buscamos compreender as coisas com mais cautela e sabedoria a mente vai se abrindo pra novos horizontes e pra possíveis mudanças 🙂

Semana passada eu estava visitando os blogs que costumo acompanhar e me deparei com uma postagem super fofa lá no blog da Karine que me trouxe uma enxurrada de lembranças: “15 quadrinhos da Gemma Correll que definem a minha vida.” Gemma ilustra de forma bem coerente muitas situações que eu e você com certeza já vivemos, e muitas delas eu vivi em especial justamente por causa das minhas crises de ansiedade. São coisas que aos olhos de outras pessoas parecem ser extremamente insignificantes, mas pra gente que vive a tensão constante de se auto pressionar em absolutamente tudo, a coisa vem de um jeito bem diferente. Eu até separei uns quadrinhos aqui que são a minha cara:

Foi aí que eu me lembrei de umas coisas bem interessantes que eu encontrei na web enquanto fazia as minhas pesquisas, porque se tem uma coisa que eu amo na internet é essa capacidade que ela tem de ser extremamente provedora nesse sentido. O BuzzFeed por exemplo, não é o tipo de site que eu leio com frequência, mas de vez em quando eu encontro umas preciosidades por lá que só vendo, e foi exatamente o caso dessa matéria aqui ó: “Como monitorar a sua saúde mental em um diário em tópicos” que eu li por indicação de uma amiga que também sofre de ansiedade e sempre “troca figurinhas” comigo sobre o assunto. No resumão aqui pra vocês, a matéria é basicamente sobre o uso do famoso bullet journal pra monitorar o seu dia a dia, registrando informações importantes sobre sua saúde física e mental. Achei a ideia maravilhosa, porque o ato de escrever de maneira organizada o que você está sentindo te ajuda a enxergar padrões de ansiedade e também a encontrar meios para entender o que acontece com o seu corpo e a sua mente nesses momentos. Leiam a matéria que é sem dúvida de grande valia, super recomendo!

Outro link que também encontrei lá no BuzzFeed e de cara já compartilhei com os migos mais queridos e chegados foi esse aqui: “17 coisas que todo ansioso gostaria que você soubesse.” Rapaz, nunca li algo tão verdadeiro em toda minha vida. Tem coisas que a gente sente e não consegue explicar de jeito nenhum, mas felizmente vem o povão da web aí pra facilitar as coisas né? O chato é que muitas vezes essa discussão se torna até um pouco frívola, justamente por ter se espalhado pela web meio que como uma “modinha” e muita gente ter vestido a carapuça… mas enfim, isso não é discussão pra essa postagem. Só vim aqui pra trocar essa ideia com vocês porque eu estava realmente bem reflexiva sobre isso, e sempre é bom dividir o que a gente sente/sabe com outras pessoas né? E se por acaso algum de vocês também sofrer desse problema e quiser conversar/desabafar sobre, estou sempre a disposição tá?! Sinaliza aí nas minhas redes sociais que eu respondo rapidinho 🙂